será que ainda há em mim algo a escrever?
quando foi que eu mudei de mim, tão diferente assim, bruscamente.
sem papel, sem caneta, sem ponta. sem ritmo.
não triste. indiferente.
como pude ter alegria sem as palavras?
escrevo estas linhas como lembrança.
talvez eu almeje o dia em que elas retornem.
mas como poderia retornar algo que nunca se foi?
eu as deixei. talvez eu retorne a elas.
a mim.

--

--